segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Os incrédulos vencerão

Os incrédulos vencerão 

Guilherme Scalzilli


Se as pesquisas eram suspeitas quando transmitiam más notícias, agora elas merecem cautela redobrada.

Há muitas armadilhas possíveis nos supostos dez por cento que separam Fernando Haddad e José Serra. Imaginando-os verdadeiros, e forçando as margens de erro, a distância se resume a seis pontos, número irrisório no estágio atual da disputa. Mas começar em vantagem é sempre complicado. São Paulo e outras cidades populosas mostraram como a perspectiva de virada influencia a mobilização e o convencimento do eleitorado, tanto para agravar as curvas descendentes quanto para alavancar as reações.

O triunfalismo precoce, além de afrouxar o ímpeto da militância, leva a população, já bastante incrédula e despolitizada, a ausentar-se do segundo turno ou a optar por votos brancos e nulos, como forma de protesto. Um quadro estatístico falso gera planos de comunicação equivocados, que induzem determinado candidato a assumir posturas favoráveis às estratégias do adversário. Manter Haddad imobilizado na esfera propositiva, por exemplo, sem reagir aos inevitáveis ataques.

Fosse outro no lugar de Serra, talvez esses perigos soassem um tanto paranóicos. Mas o estilo rudimentar do tucano e a importância de sua vitória para o projeto oposicionista anunciam uma batalha feroz e inescrupulosa, cuja virulência passará longe da simples manipulação de números. Em certas situações, pessimismo demonstra sabedoria.

0 comentários: